Trayvon Martin: Acusado de matar por racismo é inocentado

segunda-feira 15 de julho de 2013

George Zimmerman foi declarado inocente por um júri popular na Flórida, EUA

O ex-vigilante voluntário George Zimmerman, que matou o jovem negro desarmado Trayvon Martin, na Flórida, há um ano, foi declarado inocente nesta madrugada por um júri popular, após um polêmico julgamento marcado pelo debate sobre o racismo. "Senhor Zimmerman, eu assino a decisão que confirma o veredicto do júri", declarou a juíza Debra Nelson, do Tribunal do condado de Seminole, em Sanford, no centro da Flórida. "Sua fiança será liberada, seu monitor GPS será desligado quando deixar a Corte e você não tem mais pendências com a Justiça", disse a Zimmerman, que apenas expressou alívio ao ouvir a decisão.

Após 16 horas de deliberações, as seis juradas do caso - cinco mulheres brancas e uma de origem hispânica - consideraram Zimmerman inocente. Trayvon Martin, de 17 anos, foi morto pelo acusado quando caminhava numa noite chuvosa em 26 de fevereiro de 2012 para a casa de seu pai.

Ativistas e líderes comunitários, por medo de protestos e reações violentas, pediram calma à população. A polícia reforçou sua presença em Sanford, e centenas de pessoas permaneciam reunidas em frente ao Tribunal de maneira pacífica.

Contudo, confrontos esporádicos foram registrados durante a noite em cidades dos estados de São Francisco, Filadélfia, Chicago, Washington e Atlanta, segundo a imprensa americana.

Defesa "Estamos obviamente contentes com o resultado. George Zimmerman nunca foi culpado de qualquer coisa, exceto de proteger-se em auto-defesa", declarou o advogado de defesa, Mark O’Mara.

No entanto, Don West, outro advogado de defesa, reconheceu que o caso foi uma "tragédia" pela morte do adolescente e por toda a polêmica levantada sobre a questão.

O caso dividiu o país entre aqueles que acreditam que Zimmerman - cujo pai é branco e sua mãe, peruana - matou o jovem por racismo, e aqueles convencidos que o vigilante agiu em legítima defesa.

"Deus nos abençoou e, até mesmo em morte, eu sei que o meu bebê está orgulhoso da luta que, junto com todos vocês, nós travamos", declarou em seu Twitter o pai da vítima, Tracy Martin, pouco depois do veredicto. Ele e a mãe de Trayvon, Sybrina Fulton, disseram estar "com o coração partido", mas agradeceram aqueles que lutam para que mortes como a de seu filho "não voltem a acontecer".

O júri teve de decidir entre as acusações de homicídio qualificado, punível com prisão perpétua, assassinato, punível com até 30 anos de prisão, e inocência, a escolhida.

Centenas de pessoas, famílias, estudantes, pastores negros e ativistas se aproximaram dos portões do Palácio da Justiça em Sanford para exigir "justiça para Trayvon Martin", enquanto que outros residentes da Flórida, em sua maioria brancos, comemoraram a inocência de George Zimmerman.

"Esse é o fim do nosso sistema de justiça. A Justiça não é igual para todos", declarou Ashton Summer, um jovem de origem porto-riquenha de 20 anos, revoltado com o veredicto.

O promotor Bernie Rionda, chefe da acusação, disse que estava "desapontado com o veredicto", mas o aceitou, e, como os demais promotores e advogados de defesa de Zimmerman, pediu para que todos respeitassem de forma pacífica a decisão.

A promotora do estado, Angela Corey, ressaltou que "fez o seu melhor" para mostrar ao júri todas as evidências de um caso que "merecia ser analisado", e lamentou o resultado.

Zimmerman, de 29 anos, assegura que disparou contra o jovem em legítima defesa depois de ter sido atacado por Martin, um jovem de Miami.

A morte de Martin e a demora na prisão de Zimmerman pela polícia no ano passado causou protestos em várias cidades do país, o que levou o presidente Barack Obama a se pronunciar sobre o caso. "Se eu tivesse um filho, ele se pareceria com Trayvon", disse Obama ao exigir um debate sobre o racismo e a lei das armas da Flórida.

Fonte: Band

apoio Apoio da Fundação Ford

Créditos | Admin